sábado, 24 de junho de 2017

Alfabetizando aos 4 anos

Cecília e Isabel fazem atividades do livro “Consciência fonológica” todos os dias. As atividades que fizemos nesses primeiros meses foram relacionadas com histórias rimadas, cancioneiro popular, poesias e atividades referentes a ouvir sons. Uma aula tem a duração de uma hora. Nossas atividades de pré-alfabetização são as seguintes:
______________________
  • Cantamos 3 canções por dia. Repetimos as mesmas muitas vezes. Afinal na idade dos meus filhos (4 anos, 3 anos e 1 ano) a repetição torna qualquer assunto mais interessante. As preferidas são as cações de roda. Cantar e se mover é ainda melhor.
  • Fazemos jogos de rimas com as poesias da Cecília Meireles “Ou Isso Ou Aquilo”. Com muita tranquilidade as meninas mais velhas vão decorando os versinhos. Depois de ouvir uma porção de vezes elas decoram e começamos a brincar de cada uma completar o verso da outra, ou de dizer o próximo passo.
  • Escolhi o livro Bíblia em Rimas para trabalhar as histórias rimadas. Cecília – 4 anos – é a que mais gosta dessa parte. Lemos 3 histórias por dia. Já decoramos o livro. Então, se você conhece algum outro livro infantil em rimas me ajude colocando a dica nos comentários.
  • Dos jogos de discriminação auditiva o favorito é o Gato mia. Tenho uma ninhada inteira de gatos querendo se esconder pela casa. Até Maria e Alice fogem dos estudos para brincar junto.
_____________________________
No ano passado tentei começar um trabalho mais sistemático de alfabetização com a Cecília, mas percebi que ela não estava suficientemente madura. Agora ela está realmente interessada nas palavras. Percebi isso porque ela anda atrás de mim com livros na mão perguntando o que está escrito. Chegou a hora. Penso que cada criança tem seu tempo de amadurecimento e eu o respeito. Fico muito tranquila com o desenvolvimento das crianças. Na idade que Cecília tem hoje, Alice já lia. Mas Cecília é Cecília e Alice é Alice. Homeschooling não é um festival de crianças prodígio. São crianças normais aprendendo em casa com a mãe. A meta é cada qual ser o melhor dentro de suas característica e aptidões. Vencer as limitações no tempo que for preciso e dar espaço para florescerem os talentos individuais.
Começamos o livro “Aprender a ler” com a Cecília – 4 anos. E agora chegamos numa parte em que se espera que a criança conheça já o alfabeto. Será que ela já decorou? Paramos tudo e vamos revisar o alfabeto. Ouvimos no ano passado as músicas do site bebele.com.br muitas vezes. Lá a letra grafada e o fonema são apresentados conjuntamente.
Decidi fazer um projeto sobre as letrinhas para ensinar a Isabel – 3 anos. Começamos a montar um alfabeto de bolinhas de papel. A atividade deixa os pequenos concentrados por um longo tempo e prepara a coordenação motora fina para a escrita. É um meio de manter o ambiente tranquilo enquanto as crianças maiores fazem suas atividades. Além disso, é uma atividade simples que pode ser feita com materiais simples: cola, jornal velho e papel. Porque o Leonel – 1 anos e meio – fez a atividade também com a mamãe? Porque a alegria dele é arrancar as bolinhas. Então fiz um especialmente para ele parar de atrapalhar as irmãs.

20170623_183852

sexta-feira, 21 de abril de 2017

O papel da cortesia na Eduação.

É cada vez mais comum encontrarmos exclamações e protestos acerca do mal comportamento e da falta de educação doméstica das crianças. A visão que temos da infância mudou e um dos frutos dessa nova realidade na qual se educa pequenos tiranos é termos como esperado um padrão de comportamento muito pobre. Não podemos ter ilusões de que com o tempo uma criança que não aprendeu boas maneiras magicamente se tornará um adulto pleno e com o total domínio de habilidades sociais que não recebeu. Educar exige que não tenhamos medo de treinar a criança dentro de alguns padrões de comportamento.   


É bom lembrar que a cortesia não é apenas um aburguesamento das maneiras. Mas é um padrão exterior de comportamento que ajuda a criança a compreender que os sentimentos do momento não são os melhores guias para as atitudes. Ao longo da vida inúmeras vezes temos que submeter nossas ações e reações a princípios que nem sempre são coerentes com nossas emoções num determinado momento. Por isso a cortesia é uma escola de domínio de si que será importante para toda a vida, que dá uma via segura para que nossos filhos conquistem o respeito daqueles com que convivem, que dá um padrão de desenvoltura social para as crianças tímidas.

Quando educamos nossos filhos para a cortesia auxiliamos que eles entendam que cada pessoa que encontramos é a imagem e semelhança de Deus e que portanto deve ser tratada segundo essa dignidade conforme critérios muito explícitos de boas maneiras. Ensinar a agir conforme um padrão cortês de comportamento ajuda os filhos a perceber a dignidade da outra pessoa. Essa percepção é muito importante para o amadurecimento, para o preparo da criança para a convivência social, para a melhora do relacionamento familiar. 

Podemos pensar em práticas educacionais concretas que ajudem nossos filhos a crescer na virtude da cortesia. A importância dessa medida não se limita ao convívio social, pois essa virtude é um prelúdio que ajuda a criar condições interiores para o desenvolvimento da caridade. Ao longo da vida a compreensão que temos da caridade vai se alargando e as experiências dela também. Na simplicidade da criança ela pode compreendê-la e vivenciá-la, sem que com isso limitemos esse grande mistério do Amor ao simplismo de uma filantropia, de um bom mocismo ou de uma piedade exterior vazia de amor.

Uma das grandes belezas da educação para o transcendente é o mistério. Pois por sua natureza e por nossa natureza somos voltados para ir em busca de desvendá-lo. A alegria é sempre renovada no fato de que os mistérios de Deus nunca se esgotam, mas sempre permitem que vislumbremos aquilo que conseguimos dentro de nossas características e limitações. Filhos pequenos e grandes, mães e anciãos sempre poderão se encantar com a beleza dos mistérios, sempre terão algo para desvendar e isso se dá sem que o mistério deixe de ser mistério. Nunca é cedo para ensinar nossos filhos dentro de sua capacidade de compreensão sobre os grande mistérios. 


É claro que educar para os grandes mistérios de nossa fé exige que tenhamos uma fé, ou seja, um relacionamento pessoal com Deus, e não apenas que tenhamos sido convencidos de uma estrutura intelectual sobre o transcendente, algo mais parecido com uma ideologia do que com uma religião. Explicar formalmente todos os desdobramentos teológicos para uma criança pode se mostrar completamente inútil se concomitantemente não vivenciarmos e não permitirmos que a criança vivencie a realidade concreta de onde sai o edifício intelectual acerca das verdades que estamos transmitindo.

segunda-feira, 26 de dezembro de 2016

A importância de se prover Lares Alegres!

Nossos filhos estão aprendendo ao nos observarem. Afinal, a educação se dá em uma atmosfera. Eles assimilam tudo o que transmitimos intencional ou não intencionalmente, seja de modo verbal ou não-verbal. Portanto é evidente que nossos filhos aprendem conosco qual é o modo de lidar com as dificuldades, que podem ser simples descompassos na rotina ou graves problemas, observam se nos desesperamos, se nos iramos, como nos portamos.

Ou seja, aprendem qual o verdadeiro valor que damos para as coisas, pessoas e situações conforme vamos vivendo segundo esses valores. Portanto eles aprendem nossa verdadeira escala de valores e não aqueles pelos quais gostaríamos de viver.

Muitas vezes nos deixamos levar pela melancolia e acreditamos que nossas circunstancias justificam a tristeza. Mesmo que tenhamos motivos para estarmos chateados não podemos perder de vista que o sucesso profissional, familiar, social, material, não coincide com a felicidade. Encontramos pessoas bem sucedidas nas diversas áreas que não são felizes. A harmonia familiar deve transcender as pequenas contrariedades, porque é natural que as biografias sejam permeadas por obstáculos, frustrações, dificuldades. Esses fatores são importantes para o amadurecimento da personalidade. Portanto, se pensarmos bem, muitas vezes ficamos esperando para prover uma atmosfera de amor, confiança e alegria quando as coisas em nossa vida estiverem mais dentro de nossas expectativas e com isso podemos estar esperando circunstâncias ideais para sermos felizes enquanto na prática terminamos apenas cultivando lares sombrios.

Afinal, problemas de saúde, preocupações, dificuldades financeiras sempre existirão. Não podemos esperar para sermos alegre quando tudo estiver bem. Por isso é muito importante que nos esforcemos para sermos alegres independentemente das circunstancias, em meio às lutas usuais de cada dia. Para alcançar essa meta, o primeiro passo que devemos dar, e que devemos ensinar nossos filhos a aplicar, é deixar os sentimentos de lado e nos voltar para o bem-estar dos outros e manter em mente que aqueles que vivem conosco vão se beneficiar muito de nos ver alegres.

Para praticar com constância a alegria podemos tentar:

- Permear a vida da família de cordialidades recíprocas;

- Sorrir para nossos filhos mesmo quando não estamos com vontade. Não se trata de fingimento, ou de ser um bobo alegre, trata-se de um esforço para adquirir uma virtude ainda que as vezes isso possa ser uma pequena mortificação;

- Aceitar a realidade como ela se apresenta em nossas vidas, sem reclamações;

- Precisamos deixar que nossos filhos sofram. Precisamos aprender a suportar a dor deles. Mas estimulando-os a não perder a esperança e enfrentar com otimismo as dificuldades.



64 Atividades simples para se fazer nas férias

Estamos em tempos de férias escolares. Essa é a época para o descanso, mas também podemos nos esforçar para proporcionar aos nossos filhos atividades que ao longo do ano não tiveram oportunidade de vivenciar. Para inspirar os pais que estão querendo fugir dos shoppings e do excesso de televisão reuni 64 atividades não escolares que fizemos ao longo desse ano e que apareceram em nosso diário no facebook. São coisas simples, de baixo custo, divertidas e alegres. Férias é a oportunidade ideal para crianças serem simplesmente crianças. Desejo a todos ótimas férias! 

1
Faça um piquenique no parque

2

Relembre brincadeiras simples e antigas. Use as coisas da casa para fazer um cavalo ou para caminhar em latas.
3
Tome um banho de mangueira.
4

Vá andar de bicicleta em família.

5
Uma caixa plástica cheia de areia vira canteiro de obras de caminhões, deserto de bonequinhos, comidinhas de todos os tipo.

6

Faça bolhas de sabão.
7
Se reúna com amigos para fazer artesanato. 
8
Com papel kraft e tinta guache, faça desenhos ou bagunça. Não se preocupe com a bagunça, lavar tudo em dia de sol é uma ótima atividade de férias.

9
Em um dia de chuvisco, tome um banho de chuva.

10

Encontre um local que tenha mapa e faça um passeio acompanhando-o. Se não encontrar, faça um mapa você mesmo.

11
Leia!

12

Vá com sua família correr em um parque.
13.

Encontre um parquinho e divirta-se!
14.

No dia seguinte encontre outro parquinho e divirta-se na areia.
15.
Procure uma trilha em sua cidade.
16
Aproveite a família reunida para fazer biscoitos. Não se preocupe com a bagunça, ajudar a limpar é uma ótima atividade de férias também.

17.
Leia na rede.
18.

Escale muitas árvores.

19.

Canetas de escrever em cd + canecas esmaltadas = canecas personalizadas.
20.

Cabanas! podem ser de panos ou de almofadas. O importante é usar a imaginação e fazer, cabanas previamente feitas não tem tanto sabor de férias.
21.

Visite a família.

22.

Se a criança sabe ler, que leia para os outros. Se ela ainda não sabe ler, que leiam para ela.
23.

Enquanto um adulto lê um livro mais extenso, As Crônicas de Nárnia, por exemplo, desenhe a história. Ao longo dos dias você fará um lindo álbum. 
24.

Coloque bambolês no chão e brinque de tocas de coelhos.

25.

Encontre um parque onde possa jogar bola.
26.

Faça todo tipo de brincadeira com massinha de modelar.

Brincadeiras de massinha são divertidas com amigos também.


27.


Pular elástico. Diversão garantida.

28.

Cante.
29.


Que tal fazer uma deliciosa salada?

30.

Patine.

31.

Jogue bola e invente jogos.

32.

Brinque de se esconder.

33.
Brinque na terra.

34.


Faça um Quiet book.

35. 

Cante! O cancioneiro popular fica mais divertido com alegria e instrumentos simples feitos com coisas da cozinha. 
36.


Aproveite as áreas verdes para procurar diferentes tipos de pássaros e tirar fotos.
37.

Procure por folhas de formatos e cores diferentes. Uma ótima ideia é fazer um diário da natureza. 
38.

Master Chef Junior.
39.

Que tal aproveitar as férias para visitar ainda mais lugares especiais.
40.


Aprenda a tocar uma música em um instrumento.
41. 

Escale

42.

Brincadeiras sem brinquedo: Adoleta.
43.


Será que consegue ajuda para fazer um fogueira?

44.

Deitar e olhar as nuvens. Qual o formato mais divertido que encontrou?
45.

Afaste os móveis e brinque de fundo do mar. 
46

Faça o mais lindo livro de colorir que conseguir.


 47.

Faça um bolo de iogurte. É fácil.
48.

Brinque embaixo da mesa. 
 49.
Que tal conhecer uma história nova da Mãezinha do Céu e depois colorir com tinta aquarela. 
50. 

Reúna os amigos para fazer Scrapbook - se você for um menino, que tal fazer um craft?
51.

Encontre um parque que sua família ainda não conheça. Explore.
52.

Faça uma festa do pijama.
53. 
Improvise balanças simples.
 53.
Faça uma trilha na natureza.

e passe bastante tempo junto da natureza.
 54.

Que tal procurar um local com animais de fazenda?
55. 
Tente pescar em família.
 56.

Jogos, quebra-cabeças, tangram são ótimos para horas de chuva.
57.

Aprenda algum divertido artesanato.
58.

Alguns metros de corda geram as mais variadas brincadeiras: escalada, cabo de guerra. 
 59.

Cuide de um Pet.

60.
Dê tempo para seu filho brincar com os presentes de Natal. Não precisamos programar todos os dias da vida deles. Tire dias para não fazer nada, afinal são as férias.

61.
Passe tempo com papai, talvez ele goste de jogar videogame.
62.

Encontre um local com balanço e aproveite.

63.

Quando o sol estiver adequado, aproveite um escorregador também.

64.
Se chover, chame os amigos para um cineminha em casa. Mas tente não ficar assistindo  televisão mais do que o tempo de um filme.